‘Musicoterapia’ antes de entrar para a sala de Quimioterapia, antes e depois do exame de sangue inicial

E os olhos vão se fechando…

 

 

Audição Musical antes da Quimioterapia canina, aliada à Musicoterapia

Completamente relaxada…

Durante tratamento quimioterápico, aliado à Musicoterapia

Um fator de grande valia desta última sessão com som, sem medicação tranquilizante foi o fato de podermos estar mais ‘distantes’ dela na maior parte do tempo. Nas primeiras sessões sem o som, mesmo com medicação tranquilizante era necessário sempre alguém ao seu lado lhe ‘segurando’ um pouco mais firme para que ela não se mexesse e retirasse o curativo que a liga à medicação intravenosa quimioterápica.

Aplicação de medicação pós-quimioterápica, ainda durante aplicação do soro fisiológico, aliado à Musicoterapia

O toque humano também é de fundamental importância para o relaxamento do animal. A voz de seu dono e também dos médicos é de fundamental importância em um momento ‘desconhecido e desconfortável’. A música ‘toca’ o ser humano e o animal da mesma forma, sem colocar as mãos.. Suas vibrações, sentimentos e emoções que ela evoca tocam o corpo, a mente e a alma de cada um.

Retirada do esparadrapo após Quimioterapia com Musicoterapia

Esse momento da retirada do esparadrapo é sempre muito desconfortável pela retirada dos pêlos que também nele grudam. Da primeira à terceira sessão (sem música) ela se mostrou bastante incomodada e agitada neste momento. Em sua 4ª sessão (com som e medicação tranquilizante mais leve) ela não demonstra nenhuma reação. Nesta 5ª sessão, sendo utilizado apenas o som (sem medicação tranquilizante) ela demonstra um incômodo natural em certos momentos; mas de forma bem mais tranquila e relaxada.

Últimos carinhos da Drª Vilma após a “Quimioterapia musical”

 

Obs.: Não temos vídeos e fotos da 1ª à 3ª sessão de quimioterapia com a Luna (sem o estímulo musical), por ainda não termos em mente esse estudo mais profundo durante o início do tratamento.

Fomos percebendo suas reações às ‘picadas’ e ao ambiente hospitalar e com isso  fomos levando gradualmente a música; depois de estudos e testes dentro desta área musical / animal.

Por isso, nossa maior contribuição foi à partir da 4ª sessão, ao se perceber respostas positivas do animal em relação à música associada ao tratamento hospitalar.

E assim surgiu esse nosso estudo. Esperamos poder contribuir para uma visão mais humanizada em relação à busca da saúde.

Nada melhor do que um pouco de saúde (música) no resgate da saúde integral do ser humano e do animal.

 

Vejam o artigo completo deste estudo neste mesmo site:

“Musicoterapia em Hospitais: Veterinários e Humanos- Estudo de um caso ‘Animal’.