Novo Relato de Atendimento em Constelação

 

Novo Relato após a vivência de Constelação Familiar, em Jan/2019:”Semana de sensações e movimentos tão profundos que gostaria de partilhar. Estou fazendo exercícios de reconexao, positivando com novos adjetivos antigas percepções que tinha dos meus pais. Estudando, tomando posicionamento sobre questões financeiras antigas e abrindo a mente para novas soluções que estão chegando. Escrevi novamente e compartilho contigo 📝

E, passados alguns dias da minha nova existência, como pequena, diante dos grandes que me geraram. Percebo fisicamente sintomas de um crescimento como ser. Vontade de ser acolhida, ouvidos se destampando, olho para meus pais como um bebê que admira seus grandes pela primeira vez. Acolho-lhes novos adjetivos, aqueles que lhes correspondem como grandes diante da minha pequenez.

Como há muito tempo, não me recordara a última vez que lhes olhei com tamanha admiração. Honrando-os pela vida, força e história que me geraram. Lembro-me de fatos da infância, de minha mãe nos dando cobertura de cuidados enquanto meu pai estava por trabalhar, de meu pai nos levando em suas hora de folga para andar de bicicleta e soltar pipa em campos vazios do loteamento. Aquele apego típico de menina ao pai ressurge no meu corpo, ao ponto de que percebo que olho com um cuidado maior ao meu pai, sinto desejo de abraça-lo, e o faço, sem motivo, de festejos ou comemoração (únicos momentos em que recordara de tê-lo feito ultimamente). O abraço sem ensaios de aproximação, por instinto de pequena mesmo.
Ele, preocupado, surpreso, me pergunta: que foi filha, tudo bem? Eu respondo: sim pai, como se nada de diferente ou incomum fizesse.
Ele completa: seu corpo está quente e silenciamos aquela aproximação. E me emociona enxergá-lo novamente com afeto de pequena se redescobrindo com seu papai.

Externamente, as coisas também caminham de forma diferente, percebo movimentos de soluções, minha mente parece pensar e trabalhar de outra forma, sinto segurança em tomar decisões, estudo novos conhecimentos que não são novos mas que vejo utilidade.
Também olho para mamãe, com toda a sua compreensível força, e como alguém que sempre esteve ali, me levando ao encontro do meu pai, do jeito que pôde. Gratidão. 🙌🏾

🤝 Temos criação de pedir benção aos mais velhos, qdo chegarmos e saímos . Então, peço a benção dos meus pais. Ontem, qdo meu pai chegou do trabalho, pedi a benção como de costume e o abracei (momento descrito acima). Ao final da noite, depois de já termos conversado sobre várias coisas, notei q meu ouvido do lado direito estava se destampando. Com um pequeno incômodo q já senti uma vez qdo estourei os ouvidos na infância.
Não é dor, são estampidos internos e sensação de q está fisicamente abrindo, pq o som está diferente e mais limpo também (sensação descrita acima).
Minha mãe me viu ir deitar com algodão no ouvido, me perguntou se doía, falei que estava tudo bem e era coisa boa. Ela achou estranho coisa boa doer. Falei que crescer às vezes dói (como exemplo). 

Depoimento de Eire Bonfim
Por: Adriana Silvestre