Mais colo na prevenção às drogas

Este é um artigo feito em parceria com o projeto Bebê Canguru. Mais informações sobre o projeto, acessem: www.bebecanguru.com.br

Meu nome é Adriana Silvestre. Sou musicoterapeuta, consteladora familiar e instrutora de yoga. Atualmente realizo minha atividade também pelo Estado de Goiás, no Sistema Socioeducativo, onde estão os adolescentes privados de liberdade, que cometeram algum ato infracional. Por meio da minha experiência pude perceber claramente a importância do colo e do toque no desenvolvimento saudável de uma criança, futuro indivíduo que viverá em sociedade.

A maioria dos adolescentes hoje privados de liberdade não puderam ter esse toque na primeira infância diretamente da mãe e muito menos do pai. A maioria foi criada pela avó, que mesmo sendo carinhosa não consegue substituir o afeto físico da mãe. O pai? Muitos não sabem quem é – perderam o contato ou não esteve presente e de alguma forma não contribuíram na formação..

Nesse vazio de toque, de contato e de limites, os adolescentes acabam buscando fora um prazer instantâneo através das drogas e de envolvimentos que os colocam e a quem está ao seu redor em situação de risco. Portanto, a visita garantida nessas instituições é a da mãe que, muitas vezes, depois que o adolescente começou a se envolver com tudo isso, retorna com sofrimento, com o intuito de tirar o filho “dessa vida”. Mas muitas vezes o coração do adolescente está tão tomado por sentimentos negativos (talvez como forma de sobreviver) que é difícil tirá-lo desse movimento.

Culpa da mãe? Do pai? Não. Talvez falta da presença, do toque, de sentir-se amado através da fala da pele.
Fica claro que a mãe muitas vezes teve ou tem dificuldade para dar esse colo. Porém, ela deu o que pôde. Isso é trabalhado com os meninos. É usual a mãe contar que não conseguia dar colo, mas gostava de fazer comida para o filho e essa era sua forma de expressar amor. Nas percepções fenomenológicas de troca de papéis vivenciadas na constelação familiar o adolescente percebe “na pele”, muitas vezes, a dificuldade da mãe em expressar esse amor fisicamente, através do toque. Na ressocialização, eles precisam perceber isso: que não é falta de amor, mas que existem formas diferentes de demonstrar isso. Muitas vezes, quando a mãe entrega o filho para outra pessoa cuidar, acredita estar fazendo o melhor para ele. Nós ofertamos apenas aquilo que temos – pai e mãe deram o que existe de maior, que é a vida. Então, o jovem precisará dar esse lugar de respeito no coração à mãe, ao pai (mesmo desconhecido) e a quem o criou, como a avó ou mesmo um abrigo (o que ocorre em vários casos), pois sempre existirá alguém disponível a ajudar. Desenvolvendo a gratidão e recebendo esses presentes possíveis, é viável a reconstrução. E nós, pais que somos, temos de perceber o quanto é importante dar colo, estar presente na vida de nossos filhos.

Não podemos mudar nossos pais e o que é passado, mas podemos mudar a nós mesmos, respeitando nossa origem e sendo um porto seguro para nossos filhos, permitindo que eles amem a todos da família (pai, mãe, irmãos – vivos ou não ,nascidos ou não, avós e tios) com respeito e sem julgamentos, tanto a seus atos quanto a seus destinos. Assim, esse olhar acabará se estendendo a todas as pessoas e criaremos um ser completo, que não tentará preencher vazios de algo ou de alguém que falta nele.

E o toque? Ah, esse pode e deve ser em livre demanda. Viva o amor, a gratidão, o contato pele a pele, na sua mais linda forma de expressão! Uma vez que corpo e música falam mesmo sem palavras, não existe melhor forma de expressar o amor pelos filhos que oferecer nosso colo e o som de nosso coração.

Mt Adriana Silvestre

 (Maio/ 2016)

 

Adriana Silvestre é parceira no Projeto Bebê Canguru e mãe de Pedro (gestação incompleta), Ananda 4 anos e Uriel, na foto com 2 meses

“No contato pele a pele o bebê introjeta

a presença do corpo vivo que o canguruza,

evitando a instalação do vazio e da solidão

Desta forma, se constrói uma segurança

que o acompanhará pelo resto da vida”

Luciene Godoy

www.bebecanguru.com.br