Musicoterapia na escola / Construção de instrumentos musicais reciclados

A importância da Música na sala de aula infantil    

Há alguns aspectos da Musicoterapia que pode ser aplicado diretamente nas salas de aula pelos professores. E isso já vem sendo usado bastante pelos mesmos.

É um fato que as crianças, antes dispersas, ao ser colocado ou cantado um som, um ritmo ou uma música, instantaneamente a atenção é voltada ao mesmo, e novamente, se concentram. Algo as toca. Ainda mais se estiver relacionado ao seu ritmo cardíaco e emocional do momento; se agitado, um som agitado; se lento, som lento. (Isso está diretamente relacionado ao Princípio de ISO – Identidade Sonora – o qual diz que “o tempo musical empregado pelo musicoterapeuta deve corresponder ao tempo mental do paciente, para que se possam estabelecer contato” -Altshuler. A palavra ISO é tomada do grego e significa igual. Benenzon conceitua este princípio como elemento fundamental tanto teórico como prático para a musicoterapia e o define como aquele som que caracteriza e/ou individualiza cada ser humano.)

Isso se deve também ao fato de a palavra em si estar ligada mais ao hemisfério cerebral esquerdo, associado à linguagem e à razão; enquanto a música está ligada mais ao hemisfério direito, associado ao som e a emoção.

Somos ‘preenchidos’ de som a todo momento, dentro e fora de nós e igualmente de emoção. No caso das crianças isso se nota ainda mais claramente, uma vez que as mesmas são movidas a todo momento pela emoção. Por isso, não é de se estranhar como toda forma de expressão seja tão valorizada e de tamanha importância no desenvolvimento infantil. O adulto também precisa dessa expressão, mas ela parece muitas vezes um pouco “bloqueada” pela razão tão valorizada pelos mesmos. Daí vem também, a importância do equilíbrio entre os dois: razão e emoção, em busca de uma boa saúde e convivência com os demais.

E para que se busque esse equilíbrio exteriormente através das crianças ou outros é importante reestabelecer esse equilíbrio primeiramente dentro de si mesmo, professor ou terapeuta, para que o mesmo saiba diferenciar suas próprias emoções, saiba lidar consigo, com o seu lugar em seu sistema familiar e no grande sistema que é o escolar, onde cada criança traz uma história, uma família, uma forma de se expressar, uma emoção própria, um som totalmente diferente do outro.

Daí a grandeza de um grupo, formado por tantas notas diferentes; onde juntos, um respeitando o tom e o som do outro, formam uma grande e única melodia. Uma melodia que pode, através de sua inicial dissonância, se harmonizar; assim como o silêncio e o som apesar de tão diferentes são essenciais para que se possa existir a música; cada ser, em sua singularidade e grandeza se mostram, assim, essenciais para comporem uma música especial, que toque o Som e o Ser de cada um; onde todos, apesar de diferentes, buscam um Algo em comum.

(2011)

Mt. Adriana Silvestre

Obs.: São inúmeras a importância da música e da musicoterapia dentro da sala de aula. Acima está apenas um aspecto do mesmo, dentre vários; que poderão ser colocados em outras oportunidades.

*Sugestão de leitura – Ótima indicação p/ educadores, pais/filhos e alunos. Sobre uma forma de se olhar bem abrangente sobre a criança, dentro de seu contexto sistêmico familiar e escolar.

“Você é um de nós” Marianne Franke-Gricksch –  http://www.atmaneditora.com.br/voce-e-um-de-nos.html